Está chegando uma versão do Skype para o iPad

25/06/2011

O Skype vai lançar um aplicativo especialmente para o iPad, é que traz o vídeo quevazou no Youtube. De acordo com o usuário Shason, que fez upload do vídeo no seu canal do Youtube, o Skype havia colocado o vídeo no seu canal oficial, mas logo em seguida deletou.

Veja no link: http://youtu.be/B5G_CkPfDOU


De volta…

26/05/2010

Após muitos dias sem postar, estou voltando ao meu espaço para falar sobre informática e tecnologia. Como sempre.

Sempre tive receio de ter um blog, pois acho que isso exige de nós muito tempo para escrever e exibir opiniões. Mas, resolvi criar meu blog, quando cheguei à uma conclusão: Blog é um espaço pessoal. Então se você escreve todos os dias ou escreve esporadicamente, não importa. O espaço é pessoal.

Deve ter alguém por aí que gosta de ler meu blog. Quando olho as estatísticas, vejo que sempre tem visitas.

Então, desejo uma excelente leitura a todos e obrigado por compartilhar comigo esse espaço que também é vosso.

Jean Rocha


Novo pendrive com memória infinita e sem fio

01/03/2010

Foi lançado hoje nos EUA, às 15h (Horário de Brasília), um pendrive com memória “infinita” da fabricante indiana Infinitec.

É isso mesmo, um dispositivo de armazenamento com capacidade ilimitada para guardar dados. Parece que finalmente não precisaremos mais nos preocupar com o tamanho das coisas que guardamos no pendrive, certo? Mais ou menos…

Cabe tudo no pendrive?

Na verdade o IUM (Infinity USB Memory), não é bem um pendrive. Ele é, na verdade, um dispositivo para conexão sem fio e, como tal, permite que você tenha acesso a discos rígidos de diversos equipamentos nele conectados. Durante este artigo será explicado melhor o funcionamento do aplicativo e você entenderá bem do que se trata.

Com o IUM é possível criar redes de compartilhamento de memória para armazenamento entre vários dispositivos diferentes por meio de conexão sem fio, independente do seu sistema operacional. Assim, você utiliza diretamente no laptop, por exemplo, o HD do desktop.

Resumindo, o IUM é compatível com laptops em geral, vídeo games, televisores, computadores, impressoras e quaisquer outros equipamentos de armazenamento ou reprodução com entrada USB. E, apesar de não ser realmente um pendrive, o fato de ser útil para o armazenamento, ser um dispositivo USB e ter formato de pendrive, faz com que ele seja tratado como um “pendrive com memória infinita”.


Versão final do Office 2010 está próxima de sair

08/02/2010

A Microsoft lançou uma versão do Office 2010 (que é uma versão próxima da que será lançada oficialmente) para um pequeno grupo de convidados testarem.

Uma versão Release Candidate da futura suite de aplicativos de produtividade foi recentemente distribuída por meio do Microsoft’s Technology Adoption Program (TAP), grupo formado por parceiros e clientes da empresa que costumam testar produtos. Um software Release Canditate, ou RC, é a última etapa no ciclo de desenvolvimento da Microsoft, antes que seja liberado para produção. A fase seguinte, chamada RTM (Release To Manufacturing), é a versão final.

Embora o Office 2010 RC tenha sido liberado para o grupo do TAP, ela não será oferecida ao público, que recebeu em novembro de 2009 a versão beta da suíte.

A versão atual do aplicativos, Office 2007, também não teve uma RC pública, mas em setembro de 2006 a Microsoft apresentou o Office 2007 Beta 2 Technical Refresh. A versão oficial do Office 2007 chegou ao mercado só em janeiro do ano seguinte.

Cópias legítimas do Office 2010 RC estão fora do alcance de muitas pessoas, entretanto, é possível encontrar sites de compartilhamento P2P versões nomeadas “Office 2010 PRE RTM Build 4730”.

A Microsoft informou que irá entregar o Office 2010 em junho. Com a versão RC já disponível, é possível que o lançamento da versão final seja antecipada. O Office 2010 Beta, gratuito, pode ser baixado do site da Microsoft e expira em 31 de outubro.


O Brasil está investindo em Inovação Tecnológica para 2010

03/02/2010

A performance de sua empresa no novo cenário econômico está diretamente relacionada com a sua capacidade de inovar. Mais do que uma simples constatação, a afirmação representa um importante pré-requisito para organizações que buscam se destacar frente a um mercado cada vez mais competitivo.

A regra é válida para nações desenvolvidas e emergentes que já consideram a inovação um pré-requisito para o busca da qualidade de produtos e serviços, para a redução de custos e para a conquista de novos mercados. Não é difícil concluir que ser inovador é a meta da indústria nacional. Em agosto deste ano, a Confederação Nacional da Indústria – CNI e um grupo formado por executivos e empresários de 200 companhias brasileiras e multinacionais que atuam no país, entre elas Gerdau, Natura, Embraer, Coteminas, Ford e Fiat, lançaram um manifesto onde se comprometem a duplicar as ações de inovação em seus negócios até 2014. De acordo com a CNI, 30 mil empresas usam algum tipo de inovação nas suas produções e cerca de 6 mil investem na área de P&D. A meta também é duplicar o número de empresas inovadoras no país.

Apesar de toda a importância do tema, a inovação ainda não decolou por aqui. O país é responsável por 2,2% da produção científica mundial, ocupa o incômodo 24ª lugar no ranking dos países mais inovadores do mundo, de acordo com a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (Ompi). Em 2008, fomos responsáveis por 451 patentes, contra 53.521 dos Estados Unidos, que ocupam o primeiro lugar. Números incoerentes com a imagem que o país pretende vender ao mundo.

Por trás destes números, está a precaução das empresas em apostar em novas estratégias no pós-crise. Mas, para o mestre em Engenharia da Produção e coordenador do curso de pós-graduação Gestão da Inovação em Empresas do Ietec, Luiz Polignano , inovar é assumir riscos: “Este é o momento ideal para se investir, desenhar e implantar projetos, desde que as empresas tenham planejamentos bem definidos, priorizados e riscos mitigados. Isto implica em entender bem duas disciplinas: Gerenciamento de Portfólio e Gestão de Riscos”, afirma.

Após a forte a recessão econômica mundial, um conselho se tornou unanimidade no mundo dos negócios: reveja a sua estratégia e aposte na inovação. Dois segmentos da econômica incorporaram bem essa sugestão, o automobilístico e a siderurgia.

Um bom exemplo vem do Centro de Desenvolvimento de Produto – CPD da Iveco Latin America, em Sete Lagoas que há um ano atua diretamente no projeto e aperfeiçoamento de vários lançamentos da empresa e no desenvolvimento e testes de novas tecnologias ecologicamente sustentáveis para motorização de caminhões.

“Hoje, já possuímos veículos de baixo consumo com bom desempenho e continuamos aprimorando essa tecnologia. Além disso, temos projetos em andamento e parcerias que, em breve, serão apresentados para o mercado trazendo benefícios com significativa redução nas emissões de poluentes e significativa redução do consumo de combustível”, explica Marcello Mota, gerente de plataforma de veículos leves da Iveco.

Um dos projetos da Iveco em andamento hoje é a Viatura Blindada de Transporte de Pessoal – VBTP, feito em conjunto com o Exército Brasileiro, para oferecer uma viatura militar de 18 toneladas capaz de carregar 11 soldados. O primeiro protótipo será construído na fábrica de Sete Lagoas e deve estar pronto em 2010 para o início da fase de testes. Uma das metas do programa é que mais de 60% dos componentes do VBTP sejam fabricados no Brasil, reduzindo custos de produção e manutenção.

O que é importante ser levado em consideração é que a inovação não é apenas de produtos, mas também de processos e de estratégia de comercialização. Não é apenas de pesquisa e desenvolvimento, mas também sobre como usar o conhecimento que, nas palavras do diretor da CNI, José Augusto Fernandes, é o grande desafio das organizações hoje. Atualmente, o CPD da Iveco conta com 210 – 10% a mais do que na época da inauguração.

A Usiminas também é exemplo de inovação eficiente. Entre 1992 e 2008, a Usiminas apresentou 600 pedidos de patentes junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual – INPI, o que posiciona a empresa como a segunda do Brasil e a primeira no ramo de siderurgia e mineração a se destacar no quesito inovação. Estes dados integram o estudo realizado pela Prospectiva Consultoria, que catalogou as solicitações de patentes de um grupo de dez empresas nacionais.

O primeiro lugar é ocupado pela Petrobras, com 1.113 registros, seguida pela Usiminas, Vale, com 365 patentes, e a CSN, com 344. O Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Usiminas – CPD, localizado em Ipatinga, MG, é referência na pesquisa e desenvolvimento de tecnologias de produção e aplicação de aços em âmbito latino-americano.

“O CPD da Usiminas é o mais bem equipado do País e o que tem mais profissionais dedicados em tempo integral à pesquisa”, ressalta o diretor de Pesquisa e Inovação da siderúrgica, Darcton Damião. O centro é o único do Brasil a simular, por meio de linhas-pilotos, as fases dos processos produtivos de aço, desde a coqueria até o laminador. As equipes também atuam em estudos sobre novas aplicações e tipos de aço, melhorias nos processos produtivos da usina, seleção e implementação de novas tecnologias e em avaliações laboratoriais.

Atenta às futuras demandas, a Usiminas pretende ampliar seus investimentos no setor, com foco nos mercados de energia eólica, óleo e gás e construção civil. Também irá reforçar os estudos para promover a eficiência energética do aço. Desde a sua implantação, incluindo equipamentos e instalações, mais de US$ 100 milhões foram aplicados nas atividades de pesquisa e desenvolvimento.


Pacote Office terá versão online gratuita

14/07/2009

A maior fabricante mundial de software oferecerá editor de texto, planilha, software de apresentação e um programa de notas com a mesma aparência e percepção do conjunto Office que vende para computadores pessoais.

É a última iniciativa em uma intensa disputa entre as duas gigantes do segmento de tecnologia.

O Google anunciou na semana passada planos de desafiar o sistema operacional Windows com um software gratuito. Já a Microsoft lançou uma nova ferramenta de busca, chamada Bing, no mês passado, que tomou uma pequena parte da fatia de mercado da concorrente.

Uma versão gratuita do pacote Office, contudo, pode prejudicar as vendas da mais lucrativa unidade de negócios da Microsoft.

“A Microsoft está em uma posição difícil”, disse Sheri McLeish, analista da Forrester Research.

A divisão do Office registrou lucro operacional de 9,3 bilhões de dólares sobre vendas de 14,3 bilhões de dólares nos três primeiros trimestres do atual ano fiscal da Microsoft.

McLeish espera que a Microsoft supere o Google no mercado, já que as centenas de milhões de pessoas que utilizam o pacote Office no mundo deverão testar a versão disponível pela Internet.

A companhia lançará a oferta gratuita quando começar a vender o Office 2010, seu próximo principal lançamento do produto, em algum momento na primeira metade do ano que vem. A atual versão foi lançada em janeiro de 2007.

A porta-voz da Microsoft Janice Kapner afirmou que a versão gratuita fornecerá uma “experiência muito rica” e provavelmente terá mais funcionalidade que os aplicativos do Google.

Vamos ver até onde vai para essa batalha. E nós consumidores estamos querendo mais.

Com inf. Info

Google vai lançar seu sistema operacional em 2010

08/07/2009

O Chrome OS, sistema em desenvolvimento pelo Google, vai ser disponibilizado para download grátis, a partir de 2010 para máquinas, inicialmente netbooks, com o programa instalado também deve chegar ao mercado no ano que vem, segundo a empresa. O Google afirma que o objetivo é ter um sistema mais enxuto, para computadores baratos, com foco no acesso à internet.

Depois do Docs, pacote on-line que concorre com o Office, e o Chrome, navegador rival do Internet Explorer, o Google vai “ciscar” no terreno mais importante da Microsoft, o Windows, sistema operacional presente em cerca de 90% dos computadores no mundo, mas que tem enfrentado problemas de concorrência.

A mais recente versão do programa, o Vista, não emplacou e é apontado como o responsável por afastar muitos usuários –é pesado e exige máquinas mais robustas para funcionar corretamente. O novo modelo, o Windows 7, deve chegar ao mercado em outubro, mais cedo que o esperado, na tentativa de conter esse quadro. A promessa é ter um programa mais simples e leve.

De acordo com o Google, o foco do Chrome OS é justamente esse: ser mais rápido em máquinas mais baratas, usadas por consumidores que não precisam fazer mais do que atividades básicas no PC, como usar a web, digitar textos e baixar fotos. Ainda não está definido, exatamente, qual será a configuração exigida pelo sistema operacional.

Com inf. Folha

“O Twitter já revolucionou a comunicação”

05/07/2009

Venho reproduzir aqui uma matéria do Blog do Estadão sobre o Twitter, e traz uma entrevista com o Marcelo Tas do CQC (Programa humorístico da Band), que tem hoje, o maior número de seguidores entre os Twiteiros Brasileiros.

Após uma semana agitada na relação entre política e internet (e um coronel amapaense no meio), o jornalista Marcelo Tas faz um balanço do que, afinal, merece atenção. Apoiador e divulgador do #ForaSarney, ele defende a mobilização pela internet mas critica alguns métodos adotados por partidários da campanha. Em entrevista ao Link por telefone, Tas citou a palavra “revolução” nove vezes e falou sobre jornalismo, política e internet. Acompanhe:

cqc

Você acha que o Twitter vai revolucionar a comunicação?

Não, eu acho que já revolucionou. Acho que já influenciou e mudou muito a comunicação.

Você acha que essa revolução vai afetar a maneira como a gente recebe e lida com o fluxo de notícias nos próximos anos?

Muito. E é algo que a gente não vai perceber de uma maneira tão pontual quanto a gente percebeu com a chegada da TV, por exemplo. É algo muito mais sutil e, paradoxalmente, muito mais rápido. Entra tão imediatamente na nossa vida que a gente não identifica. A gente tem uma dificuldade muito grande de processamento. Os chips vão se acelerando em proporção geométrica, e a gente continua com o mesmo cérebro, com o mesmo corpo – graças a Deus, inclusive -, e principalmente com a mesma cultura, que é uma cultura muito analógica.

O Twitter pode contribuir para o fim do jornal como conhecemos?

Não gosto do verbo “acabar”, gosto do verbo “transformar”, sabe? Porque nada vai acabar. Os livros, a disenteria, os finais de casamento, essas coisas não vão acabar. Os dramas humanos e os jornais também não vão acabar. Vai tudo sendo transformado por essa possibilidade que a gente tem não só de consumir como de produzir informação. O leitor virou uma fonte, um produtor de notícia. Mas o cara que apura, qualifica e até comenta o que aconteceu tem que ser muito preparado. Esse alguém pode ser um jornalista, e acredito que vai ser um jornalista, mas pode também ser um cara que escreva bem e more em Cuiabá.

Qual sua posição sobre todo o caso envolvendo o #ForaSarney e as celebridades no Twitter?

Antes de mais nada, fico muito aliviado por ainda termos pessoas indignadas com o Sarney. Acho maravilhoso que uma molecada tenha tido a iniciativa de criar a tag e começado a se manifestar. Esse episódio aí para mim é muito pequeno. É uma coisa que ganhou uma dimensão… não há nenhum interesse em ficar falando em “subcelebridades”. Pra mim são pessoas equivocadas sim, e a maneira como eles pediram essa ajuda ao Ashton [Kutcher] foi totalmente ingênua e boboca, para usar palavras muito elegantes. Mas isso para mim teve nenhuma importância. O mais importante foi ver a molecada gerando esse barulhão na internet contra o Sarney.

Ainda que essas manifestações tenham ficado só na rede e poucos tenham comparecido de fato aos locais marcados pra manifestação?

Esse é o jeito analógico de pensar. Quando você fala que o pessoal não compareceu, está se baseando em algo como as Diretas Já, né? Mas nas Diretas demorou um ano e meio pra botar 300 mil pessoas na rua. O #ForaSarney em uma semana mobilizou, saiu matéria em tudo quanto é jornal, e já decretam que foi um fracasso. Se estão criticando as pessoas que foram, quem está errado? Quem foi ou quem não foi? Vi um monte de nerds, em alguns lugares como o Amapá, foram 50 pessoas. Acho isso incrível, primeiro porque o Amapá foi o lugar onde foi eleito o Sarney. E aí as pessoas acham que foi um fracasso. O que me interessa é que tem gente colocando pra fora sua indignação. Jovens que sempre foram tratados como alienados, que “só ficam sentados no computador”, quando tiram a bunda do computador são criticados porque são poucos?

Dá pra fazer a revolução pela internet, então?

Não, com a internet não. A revolução se faz com pessoas.

E qual o papel da internet na revolução?

Ela é apenas uma ferramenta, e não é a única. Eu acredito que revolução pra valer, de gente séria, se faz com educação. É a revolução que foi feita na Coreia, e é essa a revolução que me interessa. É o país que tem maior adoção de banda larga e de telefonia celular do mundo, onde a internet não foi tratada com preconceito, mas como uma ferramenta. Nosso erro é olhar pra internet como se ela tivesse vida, como se ela fosse uma pessoa. Ela não é uma pessoa, ela é uma ferramenta como uma caneta. Depende de como a gente usa. O nosso caso, que é bastante grave, é que as pessoas que saem na frente levam porrada de quem tem medo da mudança, como foi essa molecada do #ForaSarney. Tem umas pessoas que ficam torcendo contra, e ficam pintando eles como se eles fossem uns bobocas. Eu não tenho esse tipo de preconceito. Não participei das manifestações, até porque eu, como apresentador do CQC, não tenho que tomar partido ou vestir a camisa de uma causa. Mas apoiei ajudando a divulgar por um motivo muito simples: eu acho o Sarney uma doença para o Brasil.

Não foi ingenuidade dos partidários de Sarney minimizar a campanha?

A cabeça dele é analógica, é a cabeça de um coronel que já fechou televisões e jornais. O Sarney já chegou a tirar do ar a Rede Globo no Maranhão. É um cara que domina o mundo analógico, mas desconhece o digital e começa a levar seus tombos. A mesma coisa aconteceu com o ACM. O coronel manda prender, manda sumir com gente.

Não tenho duvida de que o Sarney vai ser soterrado pela opinião publica.

Diante desse panorama político de uma liberdade de expressão inédita na humanidade, você acha é possível censurar a internet?

Não dá. E isso é curioso, por conta do DNA da internet, que é descentralizado. É uma espécie de armadilha do destino para esses tiranos, mesmo na China. Lá, os nerds conseguem driblar o firewall, a muralha digital chinesa. Não é todo mundo, mas um faz um buraquinho, outro faz e a muralha digital vai cair que nem a grande muralha.

Você acha que os iranianos teriam tido condição de fazer a mobilização que fizeram sem o Twitter?

Não dava. Eles não teriam tido a abrangência e a velocidade que conseguiram. Nós estamos acompanhando em tempo real. Por exemplo, a menina que levou o tiro e caiu no asfalto. A gente viu aquela imagem umas horas depois, o mundo inteiro viu. Há três anos isso provavelmente não aconteceria. Esse é um exemplo muito evidente de algo que já está entre nós.

É o fim da barreira entre fã e ídolo, político e eleitor?

Isso é algo que está aí e vai se aprofundar. O fã realmente vive muito próximo, como o cara que trouxe a informação [sobre a agressão] do Danilo. Ele sabia que eu estava online. Ele não só se sente perto de mim como está perto de mim. Quanto mais você troca informação com seu público, mais constrói relação de confiança. E isso é o que aqueles meninos não souberam fazer, no episódio das “subcelebridades”. Eles foram falar de um assunto que não faz parte da vida deles. Falaram do #ForaSarney como se aquilo fosse uma brincadeira. O papo mais idiota que existe é o ‘vamos botar no Trending Topics’. A importância disso é zero, e quem pensa desse jeito são pessoas velhas, acostumadas a falar de ibope. A internet não é sobre audiência – não adianta você querer inflar seus seguidores do dia pra noite.

A internet não é sobre maioria, é sobre a força que a minoria ganha…

Exatamente. É sobre ‘cauda longa‘, sobre uma maioria que não é uniforme, como eram os seguidores da novela das oito. Era uma manada de gente que nem sabe porque está vendo a novela. Na internet não, o cara que é meu seguidor no Twitter sabe porque é meu seguidor. Não adianta de uma hora pra outra você querer bombar seus seguidores. No mundo virtual, as coisas têm que ser muito reais. Outro jeito das pessoas pensarem é “quero ficar famoso, então vou lá falar com o apresentador do ‘Big Brother'”. Tem muita gente que me pede “Marcelo, me dá um tweet que eu quero ficar famoso”. É gente totalmente equivocada.

Na internet, você acha que as movimentações vão sempre estar na mão das pessoas?

Não gosto muito desse negocio de ‘está na mão do povo’, porque povo foi uma palavra desmoralizada pelos políticos.

Mas pense no povo como uma coisa bonita.

É uma ferramenta mais democrática, não tenho dúvida.


Programas on-line ajudam a editar imagens

02/07/2009

Se quiser dar tratamento às imagens, com alguma facilidade, o usuário pode usar os programas que vêm nos CDs de instalação das próprias câmeras.

Além de ajudarem na organização das fotos, eles têm as funções básicas para correção e até efeitos especiais.
Apertando um único botão, é possível deixar uma imagem em preto e branco ou sépia (como uma foto antiga). Outra boa opção é usar um efeito de separação de cor para deixar a foto ao estilo de Andy Warhol.

On-line

Outra opção para cuidar bem das suas fotos são os softwares on-line. A vantagem deles é que não precisam ser instalados. Basta entrar no site, fazer upload da foto, editá-la e salvar a nova versão no computador.

Há sites para todos os gostos. O mais famoso deles é a versão on-line do Photoshop (tinyurl.com/3cr3wz). Para utilizá-lo, é necessário fazer um cadastro gratuito.

Ele tem todos os recursos básicos de edição e seu uso é bastante intuitivo. Seu maior mérito, no entanto, é a pré-visualização dos efeitos de edição.

Para quem procura ferramentas simples de edição, o Picnik (www.picnik.com), em português, também pode ser uma boa alternativa.

O Dumpr (www.dumpr.net) coloca fotos em quadros de galeria de arte ou pode ainda transformá-las em mosaicos. Se a ideia for enfeitar as fotos com animações ou desenhos decorativos, o FotoFlexer (fotoflexer.com) pode ser uma boa pedida.


Britney Spears tem seu Twitter invadido

02/07/2009

twitter_britney

A conta de Britney Spears no serviço de microblogs Twitter foi invadida neste final de semana e serviu de canal para divulgação de uma falsa notícia sobre a morte da cantora.

O golpe, descoberto no domingo (28), aconteceu depois que hackers invadiram a conta de Britney no serviço Twitpic – que permite a inclusão de fotos para divulgação no Twitter.

Os ataques também atingiram o perfil da atriz Ellen DeGeneres seguindo o mesmo sistema.

O Twitpic é desenvolvido por terceiros, e não é administrado pelo Twitter. A empresa disse que estava trabalhando em uma correção imediata, e alertou os usuários para não acreditarem nas mensagens divulgadas durante a invasão do perfil de Britney.